Cientistas dos EUA inovam ao editar genes


Cientistas americanos conseguiram reprogramar geneticamente células-T - que fazem parte do sistema imunológico humano - sem utilização de vírus para inserir genes. De acordo com os autores do estudo, publicado nesta quarta-feira, 11, na revista Nature, o avanço torna mais rápida a edição de genes, o que poderá ter aplicações em pesquisa, na Medicina e na indústria.

A técnica conhecida Crispr-Cas9 (ou simplesmente "Crisper") permite a edição do DNA, com o objetivo de eliminar mutações indesejáveis em pesquisas e em terapias genéticas. Um dos métodos empregados para isso consiste em usar vírus como vetores para transportar os genes para as células.

O método descrito no novo estudo permite editar as sequências do genoma nas células-T humanas sem utilizar os vírus. Os autores descrevem o método como "uma abordagem rápida, versátil e econômica com uso da tecnologia Crisper de edição de genes" e afirmam que ela poderá ser utilizada, no futuro, para terapias celulares, acelerando o desenvolvimento de novos tratamentos para câncer e doenças autoimunes.

O novo método tem por base um processo pelo qual um campo elétrico é aplicado às células-T, para tornar suas membranas temporariamente mais permeáveis. Com uma exposição ao campo elétrico apropriado, as células-T integram as sequências genéticas escolhidas precisamente no local programado pela Crisper para cortar o genoma.

"É um método rápido e flexível que pode se usado para alterar, aprimorar e reprogramar células-T, de forma que podemos dar a elas a especificidade que queremos para destruir um câncer, reconhecer uma infecção, ou moderar a resposta imunológica excessiva que resulta em doenças autoimunes", disse o autor principal do estudo, Alex Marson, da Universidade da Califórnia em São Franciso (Estados Unidos).

Segundo Marson, além da velocidade e da facilidade de uso do método, ele possibilita a inserção de trechos grandes do DNA nas células-T, o que pode ser usado para dar a a elas novas propriedades.

Para demonstrar a versatilidade do novo método, os cientistas o usaram para consertar uma mutação causadora de doenças encontrada em células-T de crianças com uma rara doença autoimune. Eles também criaram células-T "personalizadas" para buscar e matar células de melanoma - um tipo de câncer de pele. Com informações do Estadão Conteúdo.

12 jul 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Bolsonaro mantém ministro de Temer na CGU

Bolsonaro mantém ministro de Temer na CGU

em Política

Confirmação foi feita pelo Twitter, logo após o desembarque do futuro presidente em Brasília

Paulo Guedes quer criar Secretaria de Privatizações

Paulo Guedes quer criar Secretaria de Privatizações

em Economia

Acelerar a venda de ativos para pagar a dívida do Brasil é uma das prioridades do governo Bolsonaro

Ortopedista, deputado do DEM será ministro da Saúde de Bolsonaro

Ortopedista, deputado do DEM será ministro da Saúde de Bolsonaro

em Política

O nome de Mandetta foi defendido por grupos próximos a Bolsonaro

Aparência de Lula comove juízes, que discutem prisão domiciliar

Aparência de Lula comove juízes, que discutem prisão domiciliar

em Política

Possibilidade, no entanto, ainda é considerada remota

Anuncie