Tarifa social de energia custará R$ 742 mi ao ano, diz agência do setor


A isenção nas contas de luz de famílias pobres aprovada pela Câmara dos Deputados deverá elevar a conta de luz do consumidor em R$ 742 milhões, o que terá um impacto de 0,5% na conta de luz, segundo a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). 

A medida está inclusa dentro do projeto de lei que destrava a venda de distribuidoras da Eletrobras, que foi aprovado pela Câmara dos Deputados e seguirá para o Senado, provavelmente em agosto. 

Hoje, a CDE (Conta de Desenvolvimento Energético, inclusa na conta de luz) já prevê uma tarifa social. O novo projeto prevê uma ampliação do benefício, o que elevaria de R$ 2,28 bilhões por ano para R$ 3,02 bilhões por ano os gastos com o benefício. 

O projeto de lei tinha como objetivo inicial resolver dívidas bilionárias das seis distribuidoras que a estatal de energia pretende vender em julho deste ano. Uma série de emendas, porém, foram adicionadas à redação final e deverão provocar um aumento na conta de luz do consumidor. 

O impacto na tarifa de outras mudanças ainda não foi calculado pela Aneel, informou a agência. 

Entre as emendas que também deverão provocar um aumento na conta de luz está a transferência para a CDE (na conta de luz) de custos que as distribuidoras de energia do Norte tiveram com a geração e a compra de energia até 2009.

O conteúdo original do projeto, sobre as distribuidoras da Eletrobras, chegou a ser enviado antes ao Congresso por meio de uma medida provisória, que também recebeu uma série de emendas que oneravam o consumidor. 

Ao fim, o texto, que ficou desfigurado, não foi votado, e a MP caducou. O governo então decidiu mandar novamente a proposta para resolver a dívida das distribuidoras via projeto de lei -texto que foi, novamente, distorcido com emendas. 

O próprio conteúdo central do projeto de lei traz uma medida que onera a conta de luz: para resolver a dívida das distribuidoras, a ideia do governo é transferir os débitos à CDE. 

Para analistas do setor, a medida evita um cenário ainda pior, que seria a liquidação das distribuidoras. O argumento é que, sem resolver essas dívidas, dificilmente haveriam interessados no leilão e, por isso, as empresas teriam que ser liquidadas. Com informações da Folhapress.

12 jul 2018


Por Redação
Anuncie

Artigos Recentes

Bolsonaro mantém ministro de Temer na CGU

Bolsonaro mantém ministro de Temer na CGU

em Política

Confirmação foi feita pelo Twitter, logo após o desembarque do futuro presidente em Brasília

Paulo Guedes quer criar Secretaria de Privatizações

Paulo Guedes quer criar Secretaria de Privatizações

em Economia

Acelerar a venda de ativos para pagar a dívida do Brasil é uma das prioridades do governo Bolsonaro

Ortopedista, deputado do DEM será ministro da Saúde de Bolsonaro

Ortopedista, deputado do DEM será ministro da Saúde de Bolsonaro

em Política

O nome de Mandetta foi defendido por grupos próximos a Bolsonaro

Aparência de Lula comove juízes, que discutem prisão domiciliar

Aparência de Lula comove juízes, que discutem prisão domiciliar

em Política

Possibilidade, no entanto, ainda é considerada remota

Anuncie