Anuncie

General elogia Bolsonaro por 'liberar amarras ideológicas'

Adicionar aos favoritos
11 janeiro, 2019

Ao se despedir do Exército, nesta sexta-feira (11), o general Eduardo Villas Bôas afirmou que a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência trouxe uma "liberação das amarras ideológicas que sequestraram o livre pensar" no país.

"O senhor traz a necessária renovação e a liberação das amarras ideológicas que sequestraram o livre pensar, embotaram o discernimento e induziram a um pensamento único e nefasto", disse, dirigindo-se ao presidente, presente à solenidade.

Segundo Villas Bôas, Bolsonaro fez com que despertasse no país um sentimento patriótico "há muito tempo adormecido".

Referindo-se ao presidente, ao ministro Sergio Moro (Justiça) e ao general Braga Netto, que conduziu a intervenção federal no Rio, Villas Bôas afirmou que "três personalidades se destacaram para que o 'rio da História' voltasse ao seu curso normal. O Brasil muito lhes deve". Para ele, "todos demonstraram que nenhum problema no Brasil é insolúvel".

Moro, ex-magistrado que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foi, em sua visão, "protagonista da cruzada contra a corrupção ora em curso".

No ano passado, às vésperas do julgamento do petista no STF (Supremo Tribunal Federal), o general afirmou que repudia a impunidade. A frase foi criticada por ter sido interpretada como uma pressão sobre a corte.

Com uma doença degenerativa, Villas Bôas delegou ao mestre de cerimônias a leitura de seu pronunciamento. O agora ex-comandante deu algumas palavras ele próprio ao início e ao final da cerimônia, realizada no Clube do Exército, em Brasília.

Emocionado, teve suas lágrimas enxugadas por um auxiliar. Bolsonaro o abraçou mais de uma vez. A primeira-dama, Michelle, sentada ao lado de Cida, mulher do ex-comandante, ambas fora do palco, cumprimentou-o depois do encerramento.

Ainda em seu discurso, Villas Bôas disse que enfrentou no período de seu comando "descontinuidade dos repasses orçamentários" e agradeceu os ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB), responsáveis por sua permanência no posto.

"Um Exército democrático, apartidário e inteiramente dedicado ao serviço da nação, que desenvolve as sua estabilidade em ambiente respeitoso, humano e fraterno", disse.

Único a discursar na cerimônia além de Villas Bôas, o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, elogiou a capacidade do ex-comandante de conter ímpetos antidemocráticos entre militares.

"O general Villas Bôas é reconhecido pelo seu carisma de líder equilibrado, mas grandes feitos não podem ser medidos por olhos rasos", discursou Azevedo.

"A maior entrega deste comandante é o que ele conseguiu evitar. Foram tempos que colocaram à prova a postura do Exército como organismo de Estado, isento da política e obediente ao regramento democrático", afirmou o ministro.

"Bandeira esta [que serviu] como parceria do cotidiano militar e induziu a disciplina consciente como modelo de comportamento", prosseguiu Azevedo. Villas Bôas, ele concluiu, "fez do Exército solução, não parte do problema".

O general Edson Leal Pujol assumiu o comando do Exército depois de quatro anos da gestão de Villas Bôas, que passou pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e uma crise política e econômica severa.

Uma intervenção militar foi aventada por membros do Exército como o general Hamilton Mourão (PRTB), que se tornou vice de Bolsonaro.

Mourão estava no palco ao lado de Bolsonaro, acompanhado de membros do primeiro escalão do governo como o general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional, e Onyx Lorenzoni, da Casa Civil. Com informações da Folhapress.


O País TV

DESAFIO DA RIQUEZA 3º DIA: Quem chorar mais, vence!

Dr. Barakat: Açúcar é droga e ninguém te aponta o dedo. Trigo também.

O que você precisa saber sobre o ciclo da depressão http://bit.ly/terapiaEurekk

"Esquerdopatia" é debatida no Escola sem Partido

Artigos Recentes

Friboi destinou dinheiro para 162 deputados, o único a recusar foi Bolsonaro

Friboi destinou dinheiro para 162 deputados, o único a recusar foi Bolsonaro

em Política

O único deputado que se recusou a receber dinheiro da JBS foi Jair Bolsonaro, que na época era do PP. O Partido chegou a depositar R$ 200 mil na conta do deputado, mas ele devolveu tudo quando soube a origem da contribuição.

março 19, 2019 Por Patrick Ignaszevski

Guedes está perdendo paciência com Olavo

Guedes está perdendo paciência com Olavo

em Brasil, Economia

Paulo Guedes, ministro da Economia, está quase perdendo a paciência com Olavo Carvalho, o filósofo que impulsiona a direita no Brasil

março 19, 2019 Por Kennedy Medeiros

De volta à Câmara sob vaias e elogios, Aécio evita holofotes

De volta à Câmara sob vaias e elogios, Aécio evita holofotes

em Política

Dragado pela Operação Lava Jato, senador perdeu o protagonismo de quem, por 3,5 milhões de votos, não se elegeu presidente da República

março 19, 2019 Por Kennedy Medeiros

General adverte. STF acerta ou cria-se Tribunal de Exceção

General adverte. STF acerta ou cria-se Tribunal de Exceção

em Política

Cresce o cerco ao Supremo Tribunal Federal

março 19, 2019 Por Kennedy Medeiros

Anuncie